Pais, alunos e professores sofrem com a falta de uma educação especial e inclusiva nas escolas brasileiras. Segundo o último Censo Escolar realizado pelo Ministério da Educação apenas um quarto das 37.593 unidades da rede pública do país têm dependências acessíveis. Esse número cresce para 35% nas escolas particulares.

Existem leis bem claras que dão ao aluno o direito a uma educação inclusiva, no entanto, para que isso ocorra, torna-se necessário romper grandes desafios ligados a formação de profissionais, adequação de material didático, adequação pedagógica e de infraestrutura.

Neste post vamos entender um pouco mais esses desafios. Acompanhe!

Educação especial

Segundo o art. 58 da Lei de diretrizes e bases da educação nacional, a educação especial e a modalidade de ensino, oferecida preferencialmente na rede escolar, para estudantes portadores de necessidades especiais.

Seus objetivos são os mesmos da educação em geral, no entanto, a modalidade respeita diferenças individuais de cada aluno.

Segundo a ONU, Organização das Nações Unidas, atualmente as pessoas com deficiências representam 10% da população mundial. A educação especial entende que essas pessoas só podem se desenvolver com plenitude, se o ambiente social e físico for adequado para elas.

Educação Inclusiva

O foco da educação inclusiva é desenvolver uma cidadania global e plena para todos, livres de preconceitos. A ideia central é reconhecer e valorizar as diferenças, incluindo alunos com deficiências, transtornos e altas habilidades.

A educação inclusiva traz benefícios para todos, neste contexto, alunos com deficiência podem se socializar e aprender em uma escola preparada para recebê-lo. Já os demais alunos aprendem a conviver com as diferenças, de uma forma natural, desenvolvido a empatia e o respeito ao próximo.

Leis que regulamentam  

Existem várias leis que garantem esse direito, no entanto, podemos destacar aqui, neste artigo, a Lei Brasileira de Inclusão (Lei 13.146/2015), de 2015 que representou um grande avanço na inclusão de pessoas com deficiência na sociedade. Além dessa lei podemos destacar:

As leis que regulamentam esse setor, servem de base para consolidar o direito a uma educação especial inclusiva. Conhecer essas leis é importante, não apenas para as instituições de ensino que desejam realizar a inclusão, como também para pais em todo o Brasil que buscam melhores condições de ensino para os seus filhos.

  • Constituição de 1988 (consultar o artigo 208);
  • Lei 7.853, de 1989 – Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social;
  • Declaração Mundial de Educação para Todos, de 1990;
  • Estatuto da Criança e do adolescente, de 1990;
  • Lei nº 10.098/94 – Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências.

Desafios da educação especial inclusiva

Quando observamos os objetivos da educação especial e inclusiva observamos que juntas, elas oferecem o melhor dos mundos. As escolas precisam estar preparadas para receber a todos os alunos e precisam contam com profissionais qualificados e uma infraestrutura adaptava.  Esses são os principais desafios da educação especial inclusiva.

Não há materiais didáticos, essenciais ao aprendizado de alunos cegos, ou a adequação física do ambiente, como banheiros diferenciados e rampas que proporcionem a acessibilidade dos cadeirantes.

Sem profissionais capacitados para receber essas pessoas, não existe inclusão. Grande parte dos professores não conhece a didática necessária para lidar com alunos deficientes.

A solução passa pela capacitação

O Cotemar é uma instituição de ensino que reconhece o poder transformador da educação e sabe que uma educação de verdade se faz com a inclusão. Diante disso, o Cotemar desenvolveu a pós-graduação em educação especial e inclusiva que capacita o educador com todas as técnicas pedagógicas necessárias para ensinar alunos com deficiências, transtornos e altas habilidades.

O curso tem por objetivo promover as bases teórico-metodológicas para o exercício da educação especial e inclusiva, articulada à produção do conhecimento no ensino e na pesquisa de saberes essenciais para a prática pedagógica de professores universitários. Entre as disciplinas estudadas no curso podemos destacar:

  • Avaliação da Educação e da Aprendizagem;
  • Psicologia da Educação;
  • Educação Inclusiva: Comunicação Alternativa e Tecnologia Assistida;
  • Legislação e Políticas Públicas em Educação Inclusiva.

O curso é oferecido na modalidade a distância, encaixando-se perfeitamente a rotina corrida dos professores. Além disso, oferecemos uma seleção de cursos de pós-graduação de qualidade a preços acessíveis. O Cotemar se preocupa em oferecer conhecimento com excelência.

Se você gostou desse artigo aproveite para compartilhar na sua instituição de ensino ou nas suas redes sociais.